A pele sensível

Não existe definição formal de pele sensível, pois esse conceito está relacionado a uma queixa subjetiva de “sensação de intolerância da pele” e muitas vezes não são evidenciadas alterações cutâneas objetivas. A pele sensível apresenta reação rápida e intensa a estímulos químicos e físicos, como variações de temperatura e estímulos mecânicos.

Existem quatro tipos clínicos de pele sensível:

  • Pele clinicamente normal: a irritação é subjetiva. Existe a sensação de “repuxamento” e queimação da pele, mas ausência de sinais visíveis. As reações a cosméticos geralmente se manifestam dessa forma, podendo ter início imediato ou após horas de aplicação.
  • Dermatite de contato: a irritação é objetiva. Em 66% dos casos aparece eritema facial, rubor após estímulo tátil ou quadro eczematoso típico, com descamação, pápula, pústulas e vesículas.
  • Pele sensível devido presença de doenças dermatológicas, manifestando-se como tal: dermatite atópica, dermatite seborreica, rosácea e psoríase.
  • Pele sensível em decorrência de tratamentos dermatológicos pelo uso de substâncias abrasivas ou ácidos e após tratamentos ablativos, em geral com caráter transitório.

A face é o local mais comumente afetado seguido das mãos. Algumas vezes, ocorre em áreas localizadas, como pálpebras e região perioral, demonstrando uma intolerância regional da pele, como se nessas áreas houvesse um comportamento diferente do restante da face. Aproximadamente 1/3 da população tem a percepção de pele seca e irritada, independentemente de exposição a fatores irritantes.

Nos pacientes com pele sensível devem ser evitados: fragrâncias, substâncias que aumentam a absorção percutânea como ácido salicílico, ureia, álcool, solventes e trauma mecânico na pele, como limpeza agressiva.

Leave a Reply

Your email address will not be published.